Atrás do Crime - conquistando os leitores do Brasil

Atrás do Crime - book trailer

terça-feira, 13 de dezembro de 2016

J R Fontes - O Doutor da literatura policial brasileira


A Maldição do Nome
Rio de Janeiro: Edições Galo Branco, 2011.


Olá, leitores fascinados pelas estimulantes estórias policiais. Hoje, tem matéria sobre Joaquim Rubens Fontes e sua obra A MALDIÇÃO DO NOME (Edições Galo Branco, 2011). Ele é autor premiado de nove livros e conhece como ninguém como escrever um bom mistério! Vamos a ele? 



RESUMO:

Uma das tristes marcas herdadas pela República, especialmente no interior, foi o coronelismo. Qualquer cabo eleitoral considerava-se competente para controlar a vida das pessoas e nomear as autoridades municipais, com poderes sobre a vida e a morte das pessoas. Bastava não ter muito caráter, nem se importar com a ética, e ter prestígio junto aos homens do governo.

Muitas cidades se tornaram feudos de famosos coronéis, geralmente filhos de famílias importantes, que tinham forte ascendência sobre o delegado, os vereadores, o prefeito, o juiz e, quase sempre, até sobre o pároco. Para sobreviver, a população era convencida a adotar a política de não se importar com eles, para não ser perturbada. Os poucos que se revoltavam eram forçados a mudar de opinião, a calar ou a desaparecer da cidade, para fugir às mais terríveis ameaças.

Inconformado com a perda de uma amiga, Da Mata, modesto professor da escola, quis saber das circunstâncias do acidente que a vitimara e acabou posto contra o exército inimigo. Mas não se intimidou. Ex-repórter, conhece os segredos de uma investigação. A seu lado, apenas uma cadela, Kara, cujo nome, lembrança de uma amaldiçoada princesa egípcia, leva pânico às hostes inimigas. E Kara é realmente a heroína dessa aventura.



ANÁLISE

   Em se tratando de literatura policial, parece ser suficientemente agradável ao leitor o crime e a investigação que leva o “detetive” a explorar os caminhos escusos até chegar a um culpado. No caso de Joaquim Rubens Fontes, entretanto, tenho que frisar um quê a mais em seu romance: a presença mística e, ao mesmo tempo, heroica de Kara, uma rottweiler que trata de uma questão sempre existente quando o gênero literário é o policial. Refiro-me à ambiguidade bem e mal.

   Kara, a linda rottweiler, representa em si toda essa disputa constante entre o certo e o errado. Ela, por si só, é boa e má concomitantemente, sendo, portanto, ambígua.

   Por sua vez, Kara também não é apenas uma cachorra. Simbolicamente, ela representa o corpo do seu dono, o professor Da Mata, bem como substitui as armas que ele não pode possuir por não ser um agente da lei. Assim, quando as batalhas forem travadas, caberá a Kara não só proteger o dono como também ajudá-lo a derrotar os inimigos fortemente armados.

   Já Da Mata, o protagonista, vai atuar como o cérebro da investigação contra o crime organizado, chegando mais longe que a própria polícia – corrupta, conivente com os criminosos. Motivado a apenas desvendar os mistérios que levaram uma amiga a morrer num acidente de automóvel, Da Mata vai descobrindo, passo a passo, uma rede poderosíssima do crime. Não é segredo para o leitor: todos sabem de imediato que os responsáveis são membros de uma tradicional família, os Floresta. O obstáculo maior, portanto, não é desvendar a identidade dos bandidos, e sim, colocá-los atrás das grades em um país em que o dinheiro compra impunidade.

   Como você, leitor, deve ter percebido, os nomes das personagens são bastantes simbólicos. De um lado, Da Mata – representando o bem e o agente pensante. De outro, os Floresta – representantes do mal e também agentes pensantes, embora o leitor não tenha acesso ao raciocínio deles, visto o narrador acompanhar a estória a partir da visão do mocinho do enredo.

   Refletindo sobre os nomes dos personagens, “Mata” consiste em um ambiente natural onde alguém pode caminhar com alguma dificuldade, mas ainda assim com alguma visibilidade. Comparando-se “mata” com “floresta”, a última tende a ser repleta de árvores, normalmente com copas mais altas, sendo mais escura e misteriosa.

   Jean Chevallier e Bertrand, no Dicionário dos Símbolos (Ed. Teorema, 1994), discorrem sobre o último termo:

Menos aberta do que a montanha, menos fluida do que o mar, menos subtil do que o ar, menos árida do que o deserto, menos escura do que a gruta, mas fechada, enraizada, silenciosa, verdejante, sombria, nua, múltipla, e secreta, a floresta de faias é arejada e majestosa; a floresta de carvalhos, nos grandes caos rochosos, é céltica e druídica; a de pinheiros, nas encostas arenosas, evoca um oceano próximo ou origens marítimas. E é sempre a mesma floresta. (Bertrand d’Astorg).

 Na literatura (...) a floresta gera angústia e serenidade, símbolo de opressão e de libertação.
Talvez seja por tudo isto que, em termos psicanalíticos, a floresta se encontra entre os grandes símbolos do inconsciente. Se pensarmos nos contos de fadas, lendas e mitos de muitas tradições, ou no folclore popular do mundo inteiro, veremos que neles abundam imagens de florestas que devem ser percorridas, atravessadas, e desvendadas nos seus caminhos labirínticos.
   Assim, cabe a Da Mata percorrer os labirintos do planejamento do crime até chegar aos verdadeiros chefes do poder, os Floresta, tendo que trilhar um caminho obscuro e repleto de perigos para que seu propósito se concretize.

   E, enquanto o mocinho vai fazer essa trajetória do pensamento (afinal, ele simboliza o cérebro), sua cachorra Kara vai atuar com o corpo. Ambos, unidos, tornam-se uma arma infalível, à altura do crime organizado, e terão condições de derrotá-lo.


SOBRE O AUTOR:

   Mineiro residente no Rio de Janeiro, Joaquim Rubens Fontes é Bacharel em Jornalismo e Letras, com especialização em Português e Filosofia Medieval. É Mestre e Doutor em Literatura Brasileira. 

   Trabalhou como repórter policial no jornal Gazeta de Notícias, no Rio de Janeiro. Foi por 31 anos, funcionário do Banco do Brasil. Lecionou no curso de Letras da Universidade Santa Úrsula. 

   Tem nove livros publicados, sendo um técnico e uma pesquisa de pós-doutorado. Sua produção literária já lhe rendeu oito prêmios.


***

   Antes de encerrar, gostaria de agradecer ao Joaquim, pois, enquanto esta matéria aguardava o momento certo para ser publicada, eis que recebo um presente lindo (e bastante útil, por sinal). Ah, eu adoro os Correios rsrs.



   Gostaram da matéria? Comentem, sigam o blog e compartilhem à vontade. Vamos juntos levar a literatura policial adiante!